O fã-site italiano MisterManson.com fez uma entrevista exclusiva com o tecladista da banda, Chris Vrenna. A tradução você pode conferir abaixo:

 

MisterManson.com: Você conhece o Manson há muitos anos, e desde os primeiros álbuns você vem colaborando na produção. Depois de um longo tempo, como foi produzir um CD do Manson novamente?

Chris Vrenna: Bem, Manson, Twiggy e eu nos conhecemos há mais de 15 anos, então foi mais do que um bando de velhos amigos fazendo música juntos. E eu acho que isso é visível no novo álbum.

MisterManson.com: Você teve uma breve experiência como baterista ao vivo com a banda. Como você se sente estando de volta como um membro fixo?

Chris Vrenna: É MUITO estranho como eu acabei chegando na banda. Ginger caiu de um palco MUITO alto e se machucou bem antes da turnê dos Greatest Hits em 2004. Manson me chamou pra preencher o lugar e eu nunca mais saí. Claro que o Ginger voltou na bateria e agora eu toco teclado ao vivo.

MisterManson.com: Por favor, conte-nos sobre o novo álbum. É uma mudança radical no som? É realmente muito perto do som do “Antichrist Svperstar”? E desde que você colaborou com eles, como você vê a maturidade do Marilyn Manson como uma banda?

Chris Vrenna: Bem, eu não quero falar muito antes do álbum sair, mas eu estou muito orgulhoso. É difícil descrever... Acho que há elementos “clássicos” do Manson, mas também muito “experimentado”. Acho que é um dos melhores CDs que a banda já fez. E novamente, foi legal escrever e gravar com amigos de verdade. Acho que nossa animação mostra isso.

MisterManson.com: No passado você trabalhou com famosos artistas internacionais, e fez parte da cena musical. Como você vê a cena musical hoje em dia?

Chris Vrenna: A cena musicial está ruim nos EUA. Reality shows como “American Idol” tem tirado a real arte da música e dado o vencedor quem canta e fica bem em roupas de designers. E então nós também temos a cena “jovem” como o Jonas Brothers e o fato de que a MTV não PASSA mais clipes… Mas o marketing da música tem libertado os VERDADEIROS artistas a escrever mais e procurar novos escoamentos para os fãs. Acho que a música está realmente num lugar melhor para nós, artistas.

MisterManson.com:
No uso mundial da internet hoje, algumas músicas estão disponíveis na internet antes de elas serem lançadas. O que você acha disso?

Chris Vrenna: Bem, eu tenho que dizer que ODEIO roubo de música em qualquer forma. Se uma banda escolhe colocar faixas online, isso é ótimo. Nós fizemos isso com “We’re from America” para o CD novo. MAS, baixar músicas sem autorização é o mesmo que andar em uma loja de CD local e roubar o CD! Acho que os fãs de verdade sabem que NORMALMENTE músicas encontradas online antes do álbum sair são mixagens antigas e terão que esperar para escutar a música do modo que o artista destina.
Então… NÃO ROUBE MÚSICA! VOCÊ ROUBARIA UM PAR DE JEANS, UM LIVRO OU DVD? ENTÃO NÃO FAÇA ISSO COM MÚSICA, POR FAVOR!

MisterManson.com: Graças ao seu perfil no Facebook seus fãs podem se contatar diretamente com você. O que você acha sobre os sites de relacionamento para trazer mais fãs perto de seus ídolos?

Chris Vrenna: Eu gosto de estar apto a falar com meus fãs, mas isso também pode ser perigoso. Todos online precisam respeitar a privacidade dos outros, quem quer que eles sejam. Eu NÃO estou no Twitter… nunca estarei! Quem se importa com o que estou fazendo agora? E acho que pessoas que usam ‘Twitter’ ou atualizam constantemente o Facebook tem muito tempo livre ou estão fazendo isso por razões egoístas. E não vamos nos esquecer dos impostores por aí. Eu tenho um impostor no Twitter querendo ser eu e dizendo as coisas mais idiotas. Ele tem MEU nome e usa uma foto minha, então seu ‘perfil’ parece legítimo. Eu tive que expulsá-lo por isso. Adoro fazer novos amigos e adoro conhecer fãs, mas eu sou antiquado e prefiro fazer isso pessoalmente ou nos meus perfis online legítimos.

MisterManson.com:
Há poucos dias, uma música do album “The High End of Low” foi disponível gratuitamente no site oficial. Você pode nos dizer porque a banda decidiu fazer isso, sendo muito agradecida pelos fãs?

Chris Vrenna: Manson sempre apreciou seus fãs. Este é simplesmente outro modo, e nós estamos animados para os fãs escutarem as músicas novas.

MisterManson.com: ‘We’re from America’ é uma dura crítica à presente sociedade Americana. A Administração de Obama parece estar disposta a remediar a desastrosa situação global que estamos, também por causa da antiga Administração do Bush. Entretanto, muitas das promessas que o novo presidente fez, não foram realizadas: Elas parecem ter sido apenas propagandas. Qual sua opinião sobre isso?

Chris Vrenna: Whoa… Ok, você tocou um nervo comigo. Manson pode (e sempre fez) falar por si mesmo. Mas eu votei em TODAS as eleições nos EUA desde que tive idade para fazer isso e eu acredito que é nossa obrigação como cidadão. Nós estamos em turnê fora dos EUA por muitos, muitos meses do ano. Foi triste ver o mundo através de nós por causa das mentiras do Bush e a “guerra”.
Obama deu a todos aqui nos EUA e eu acredito que no mundo, um novo otimismo. SIM, ele tem muito o que tentar e fixar aqui, então você NÃO pode ser rápido para fazer um julgamento. São 3 meses. Clinton nos deixou com um enorme excedente orçamental nos EUA que Bush arruinou em uma mentira. Como um Americano, eu sinto um alívio que há alguém no poder que entende as pessoas, é honesto e quer REALMENTE fixar as coisas. Nós só precisamos de um Presidente que QUEIRA fixar isso.

MisterManson.com: Como foi trabalhar com Marilyn Manson e Twiggy Ramirez, finalmente juntos depois de vários anos, no album “The High End of Low”? Você pode nos comentar algo sobre os momentos que você compartilhou com eles gravando o álbum?

Chris Vrenna: Foi a melhor experiência que eu tive gravando um album. Eles são meus irmãos.

MisterManson.com: Você trabalhou com várias grandes personalidades da música. Qual é a memória mais importante que você tem na sua carreira como músico?

Chris Vrenna: Bem…Eu tenho várias, que me humilham todo dia… Esse novo album com Manson e Twiggy, Woodstock com o Nine Inch Nails, ganhar um Grammy, trabalhar com o U2, ver o mundo… há várias. Mas eu direi, bandas são irmãos… e Manson e Twiggy são meus irmãos e esse novo album e turnê significam mais para mim do que qualquer coisa.

Como prometido, iríamos postar os scans da matéria que saiu com o Manson na edição dessa semana da revista inglesa Kerrang! Trata-se de um guia com 15 curiosidades relacionadas ao Manson no decorrer de sua carreira.

Os scans e a transcrição da matéria podem ser vistos abaixo:



 
    
    

 
 

Marilyn Manson está se preparando para retornar aos nossos reforços no próximo mês para tocar no Download Festival. Precisa se familiarizar com o antigo demônio? Aqui está nosso guia de 15 passos do Deus da Foda favorito de todos.


Sexo! Satã! Esqueletos!


1º: Nascido Brian Hugh Warner, a infância de Manson não foi totalmente normal. Como sua autobiografia detalha (Long Hard Road Out of Hell de 1998), seu avô tinha vários fetiches sexuais, descobertos pelo cantor enquanto andava pela casa com seu primo. “Todo dia nós fazíamos novas e grotescas descobertas... Eu encontrei uma pilha de fotos em preto e branco com bestialidades... Eram fotos do começo dos anos 70 com mulhers cavalgando em pintos gigantes de cavalos e chupando paus de porcos, o que pareciam saca-rolhas novos e macios.” Isso explica muita coisa...

2º: Na escola ele diz, “a aula de Artes era a única que eu realmente ficava animado. Eu adorava a escrita criativa também, eu achava que era muito bom nisso, mas tinha notas ruins porque eles diziam que minhas histórias não faziam sentido.” (Ele, de fato, veio a tornar-se jornalista musical antes de se encontrar com a fama.) Enquanto isso, a Matemática, fazia menos sentido para ele, “Eu reprovei em geometria e álgebra, mas eu sabia que não havia razão para isso. Se você pode comprar a porra de uma calculadora, por que você deveria se aborrecer para aprender como escreve isso?” Ele também era um grande fã de Dungeons & Dragons.

3º: Foi dito erroneamente que Manson fez parte do nerd “Paul Pfeiffer” na comédia dos anos 80 “The Wonder Years” (Anos Incríveis). Ele não fez. “Meu rumor favorito é o dos Anos Incríveis.” Ele disse. “Se alguém me perguntar sobre isso de novo, vou socá-lo nos dentes.” Outros rumores que rondam o controverso cantor incluem que ele removeu suas costelas para que então pudesse fazer sexo oral nele mesmo, uma queda por fumar ossos humanos e ser um assassino de filhotes. Todos sem sentido, naturalmente.

4º: Em 1989, Manson conheceu o guitarrista Scott Putesky (que se tornaria Daisy Berkowitz), Stephen Bier (em breve Madonna Wayne Gacy) e o baixista Brad Stewart (aka Gidget Gein) para formar a Spooky Kids – a primeira encarnação da banda que mais tarde foi conhecida simplesmente por Marilyn Manson. A banda tornou-se popular rapidamente, graças em parte ao suporte de um DJ de rádio. Em 1993, Manson entrevistou o frontman do Nine Inch Nails, Trent Reznor para uma revista e entregou um CD demo ao seu ídolo. Os dois tornaram-se próximos, seguindo ao lançamento do primeiro CD da banda no selo de Reznor. Mais tarde, o par se separou, com Reznor acusando Manson  de ser “tóxico” antes dos dois corrigirem coisas recentemente.

5º: Em Abril de 1999, o mundo acordou com as notícias de que dois adolescentes americanos, Eric Harris e Dylan Klebold, fizeram um tiroteio com armas semi-automáticas no colégio Columbine, em Colorado. Foi dito que os acusados foram intimidados e faziam parte de uma gangue conhecida como a Máfia Trenchcoat que idolatravam Marilyn Manson. Foi com essa suposição que levou a maioria da mídia do mundo inteiro à fazer um “caça às bruxas” com o cantor, declarando que ele era o responsável pela morte de 13 estudantes. O problema foi que um pouco disso era verdade. De acordo com o jornalista Dave Cullen, Harris e Klebold não foram intimidados e não escutavam Manson. De fato eles achavam que ele era um saco. Ainda, o mestre da auto-publicidade não parou Manson para dizer ao Prêmio Kerrang! de 2001 quando questionado sobre a inspiração do quarto álbum Holy Wood, que era “nada como um bom tiroteio na escola para inspirar um disco...”

6º: Columbine não foi a única vez que Manson seria acusado de inspirar assassinatos. Em 2000, quando três estudantes italianas mataram uma freira de 61 anos, ele foi acusado, porque cada uma delas tinham diários repletos de fotos dele. Ele também foi, aparantemente, a razão para os adolescentes Franceses invadirem as sepulturas dos heróis da guerra Ingleses em 2003, enquanto a repressão no caso do presidiário escocês Luke Mitchell de assassinar sua namorada dizendo que estava sob “o feitiço de Manson”.

7º: Talvez a acusação mais peculiar nivelada ao auto-estilo “Deus da Foda” foi que ele “tirou suas genitais” depois de aparecer no palco como o Papa quando se apresentou na Itália, “Disseram que eu imediatamente me despi, tirei meus genitais e joguei no público,” Manson mais tarde explicou. “Eu tentei dizer aos policiais que era muito óbvio – eu posso ir até o banheiro e mostrá-los – mas eu claramente não tirei meus genitais, eu deveria ser parabenizado se eu pudesse fazer isso, mas eles ainda estão aqui.

8º: Não um estranho aos tribunais, Manson uma vez teve um processo de quebra-de-contrato arquivado contra ele pelo tecladista Bier por, entre outras coisas, alegar que Manson usou dinheiro da banda para comprar drogas e parafernálias Nazistas, máscaras Africanas e o esqueleto de uma garota Chinesa de 4 anos de idade. Manson nega as acusações: “Eu nunca gastei meu dinheiro em um esqueleto de uma menina Chinesa. Isso seria cruzar a linha. É um menino Chinês, só para recordar.”

9º: Minha mãe costumava me dizer quando eu era criança, “Se você pecar à noite, o Demônio irá até você quando estiver dormindo”. Eu costumava ficar animado porque eu queria muito que isso acontecesse... Eu queria mais do que qualquer coisa.” Ele disse à Rolling Stone em 1997 de sua fascinação com o Demônio. No palco, ele sempre foi conhecido por ler a Bíblia Satânica, chicoteando os grupos religiosos exatamente em um tipo de futilidades hipócritas que ele estava visando satirizar.
Entretanto, foi quando ele foi nomeado um ministro na Igreja de Satã pelo fundador da organização Anton LaVey, que os Cristãos ficaram balísticos. “Erm... não é um trabalho,” respondeu Manson rindo. “Eu não sou pago por isso.”

10º: A casa de Marilyn Manson, quando a Kerrang! visitou em 2000, era uma mistura peculiar entre teatro de variedades, assutadora e normal. A casa Mary Astor, que vem sido conhecida assim desde que foi construída em 1920 para uma atriz de Hollywood de mesmo nome, em Laurel Canyon, Los Angeles, foi a casa de Manson entre 1997 e 2004. Nela, ele escreveu e gravou o Mechanical Animals, bebeu absinto o suficiente para abastecer um navio, e aproveitou o esqueleto da garota Chinesa, as máscaras Africanas que seu ex companheiro de banda o acusou de comprar com o dinheiro da banda, ainda com um quarto cheio de membros prostéticos, um pavão empalhado e alguns babuínos (também empalhados). Era o resto do lugar que foi um desapontamento, como o escritor da Kerrang! descobriu. “Mais perturbadora era a “gruta” privada do Manson, que continha uma seleção de DVDs da Blockbuster e uma bolsa de crânio,” ele religou. “O banheiro – estou triste em dizer – era branco, cheiroso e como qualquer outro banheiro.”

11º: Quando tocou em Miami, um homem correu no palco e rasgou suas calças perguntando ao Manson se poderia oferecer algum auxílio. Questionado sobre o incidente na TV pelo apresentador conservador da Fox News, Bill O’Reilly, cuja indignação desmente um homem lutando para contemplar o pensamento da homossexualidade que nunca mente a prática, Manson explicou: “Não foi tanto um ato de sexo formal, ninguém se despertou. Alguém correu no palco e abaixou suas calças. Então, eu prefiro deixá-los fazerem rir fora de mim, eu os apertei e fiz a piada serem eles. Meus pais estavam na platéia. Eu introduzi meu pai ao cavalheiro que veio no palco. Meu pai aprovou.”
Não foi a única vez que o gótico teve alguns imprevistos na frente do público. Em 2001, um fanfarrão estava compreensivelmente descontrolado a encontrar uma ninhada de nozes acima da cabeça do Manson no meio de um show. O cantor invocado não contesta às acusações do tribunal por desvio de conduta. (reduzido à falta de conduta sexual e acusação de assalto) pagou U$4,000 aos seguranças.

12º: Manson casou com a dançarina burlesca Dita Von Teese em Dezembro de 2005 em uma cerimônia surpreendentemente normal e não-denominacional na Irlanda completo com falcoaria e arco na mão para os convidados. O casamento, entretanto, durou um pouco mais de um ano quando Von Teese pediu divórcio alegando diferenças irreconciliáveis, uma questão na parte do Manson e que o homem de maquiagem era um acoólatra. “Eu achei engraçado porque a atual frase usada era que eu estava embriagado – o que é uma palavra de proibição da era arcaica. Vou deixar bem claro – eu só bebo absinto.” Ele explicou, dificilmente contestando a acusação. Ele começou a namorar a atriz Evan Rachel Wood – de 19 anos – e a convocou para o atrevido vídeo de Heart-Shaped Glasses. Depois de uma breve separação no final de 2008, o relacionamento do casal está de volta.

13º: O Deus da Foda de 40 anos não gosta do My Chemical Romance. A música Mutilation is the Most Sincere Form of Flattery, do último álbum Eat Me, Drink Me, é sobre Gerard Way, ‘Fuck you, fuck you, fuck you’ ele canta no que talvez não é o melhor suporte que Way já recebeu. “Estou envergonhado de ser eu porque essas pessoas estão fazendo uma versão triste, lamentável e vazia do que eu fiz.” Manson depois elaborou, “Se eles querem se identificar comigo, então aqui está uma gilete. Me ligue quando estiver pronto e nós vamos conversar.” Amigável.

14º: Um renomado apreciador do absinto, Manson lançou sua própria linha da bebida ano passado. Chamado Mansinthe, é, de acordo com a sinopse, “um absinto natural, destilado do anis vermute, erva-doce e outras ervas finas.” Há alguns críticos que gostaram, a revista Esquire tabelou a garrafa de U$65,00 em segundo no seu top 5, e há também os que não gostaram.”De acordo com os apreciadores... o problema número um era o aroma, no qual alguns compararam verbalmente à água de esgoto ou lama de pântano.” Lida em uma review. Outra adicionou: “Se um cheiro pudesse falar, esse absinto diria ‘Não toque’. Puta merda! Isso é veneno?”

15º: Uma colaboração entre Marilyn Manson e Britney Spears teria uma vez parecido impensável, agora não parece tão distante. De fato, a cantora pop tem dançado no palco na sua turnê recente a versão do Manson para Sweet Dreams do Eurythmics. A namorada de Manson, Wood, alega estar a favor da ideia de uma mescla entre Manson e Spears. “Eu quero ele cantando com ela” disse à MTV. “Acho que isso seria ótimo. Quero muito ver Marilyn Manson com Britney Spears. Quem não gostaria de ver Marilyn Manson e Britney Spears cantando juntos no palco?” Enquanto tudo isso for uma promessa...

 
A revista também diz que Manson está nas próximas edições, mas não diz o que será exatamente.

 
Fonte: MansonUsa

Manson está na edição desta quarta-feira (06/05) da revista inglesa Kerrang!. O título da matéria é: "Sex! Satan! Skeletons! - everything you ever wanted to know about Marilyn Manson but were afraid to ask." Não parece ser nada novo, mas assim que os scans da revista estiverem disponíveis, postaremos aqui!

 

A versão deluxe do The High End of Low pode ser reservada na loja americana do iTunes e também dá para comprar a "Arma-Goddamn-Motherfuckin-Geddon" e baixar agora!

De acordo com os detalhes do CD e da compra, o CD vem com uma faixa bônus exclusiva chamada "Fifteen" e, também, quando você fizer sua reserva, receberá a pré-venda da faixa "Into the Fire (Alternate Version)"

Clique aqui para acessar a loja.


OBS: O conteúdo da pré-venda pode ser modificado sem aviso e o produto final deve ser diferente.


A loja também fez uma pequena review sobre o CD que pode ser lida abaixo:


Nota do álbum

O valor chocante de Marilyn Manson tende a encobrir as percepções de sua musicalidade e inteligência. Suas músicas são tingidas com a celebração dark e glam de Alice Cooper e David Bowie. Sua paixão é evidente, enrolado em densas camadas de guitarras de metal com tons industriais. Para The High End of Low Manson recupera seu espírito do final dos anos 90 quando era o inimigo nº 1. "Arma-Goddamn-Motherf**kin-Geddon" e "We're from America" estão nos seus melhores subversivos, expondo a hipocrisia e depravação da sociedade. "I Want to Kill You Like They Do in the Movies" e "Pretty as a Swastika" são adicionadas ao catálogo de músicas anti-amor do Manson. O tecladista da banda Chris Vrenna, o baterista Ginger Fish e o baixista Twiggy Ramirez (de volta depois de um longo hiato) operam nas ordens de marcha "bata-antes-pergunte-depois". É o Marilyn Manson mais cru e agressivo em anos. Manson não tem que ir de porta em porta para chocar as pessoas, como foi satirizado pelo The Onion, The High End of Low serve para esse propósito muito bem.


Fonte: MansonUsa

Como prometido, iríamos postar o programa Söndagsparty legendado. Ao total são cinco partes e já legendamos a primeira. Confira o vídeo abaixo:

 
Söndagsparty med Filip och Fredrik (Parte 1)



 

Em breve postaremos as outras partes!

página: 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 | 32 | 33 | 34 | 35 | 36 | 37 | 38 | 39 | 40 | 41 | 42 | 43 | 44 | 45 | 46 | 47 | 48 | 49 | 50 | 51 | 52 | 53 | 54 | 55 | 56 | 57 | 58 | 59 | 60 | 61 | 62 | 63 | 64 | 65 | 66 | 67 | 68 | 69 | 70 | 71 | 72 | 73 | 74 | 75 | 76 | 77 | 78 | 79 | 80 | 81 | 82 | 83 | 84 | 85 | 86 | 87 | 88 | 89 | 90 | 91 | 92 | 93 | 94 | 95 | 96 | 97 | 98 | 99 | 100 | 101 | 102 | 103 | 104 | 105 | 106 | 107 | 108 | 109 | 110 | 111 | 112 | 113 | 114 | 115 | 116 | 117 | 118 | 119 | 120 | 121 | 122 | 123 | 124 | 125 | 126 | 127 | 128 | 129 | 130 | 131 | 132 | 133 | 134 | 135 | 136 | 137 | 138 | 139 | 140 | 141 | 142 | 143 | 144 | 145 | 146 | 147 | 148 | 149 | 150 | 151 | 152 | 153 | 154 | 155 | 156 | 157 | 158 | 159 | 160 | 161 | 162 | 163 | 164 | 165 | 166 | 167 | 168 | 169 | 170 | 171 | 172 | 173 | 174 | 175 | 176 | 177 | 178 | 179 | 180 | 181 | 182 | 183 | 184 | 185 | 186 | 187 | 188 | 189 | 190 | 191 | 192 | 193 | 194 | 195 | 196 | 197 | 198 | 199 | 200 | 201 | 202 | 203 | 204 | 205 | 206 | 207 | 208 | 209 | 210 | 211 | 212 | 213 | 214 | 215 | 216 | 217 | 218 | 219 | 220 | 221 | 222 | 223 | 224 | 225 | 226 | 227 | 228 | 229 | 230 | 231 | 232 | 233 | 234 | 235 | 236 | 237 | 238 | 239 | 240 | 241 | 242 | 243 | 244 | 245 | 246 | 247 | 248 | 249 | 250 | 251 | 252 | 253 | 254 | 255 | 256 | 257 | 258 | 259 | 260 | 261 | 262 | 263 | 264 | 265 | 266 | 267 | 268 | 269 | 270 | 271 | 272 | 273 | 274 | 275 | 276 |









10.01 @ Van Buren
12.01 @ House of Blues
13.01 @ House of Blues
16.01 @ Fox Theatre
19.01 @ The Complex
20.01 @ Fillmore
23.01 @ Aztec Theatre
24.01 @ House of Blues
26.01 @ Shrine Mosque
27.01 @ Brady Theatre
[ ver mais ]

KILL4MESAY10We Know Where You Fucking LiveMarilyn Manson - Prêmio de Ícone pela Alternative Press (2016) Third Day of a Seven Day BingeThe Mephistopheles of Los Angeles


ver +

facebook.com/marilynmanson
marilynmanson.com
twitter.com/marilynmanson


2008 - 2017 ® Marilyn Manson Brasil | Todos os Direitos Reservados