O show de ontem aconteceu na cidade de Topeka, em Kansas. A única mudança no setlist foi a inclusão de Coma White/Coma Black no lugar de Tourniquet.

1. Hey, Cruel World...
2. Disposable Teens
3. The Love Song
4. No Reflection
5. mOBSCENE
6. Slo-Mo-Tion
7. The Dope Show
8. Rock is Dead
9. Personal Jesus
10. Coma White/Coma Black
11. Sweet Dreams (Are Made of This) (The Reflecting God Outro)
12. King Kill 33º (trecho)
13. Antichrist Superstar
14. The Beautiful People

Intro/Hey, Cruel World...

No Reflection

The Dope Show/Slo-Mo-Tion

Coma White/Coma Black

Manson está na capa da última edição da revista Americana Revolver (nas bancas hoje, 3 de Outubro) e fala sobre a turnê Twins of Evil, filmes de terror e experiências paranormais. A entrevista é ótima e você pode conferir os scans (créditos para o usuário Dronepool do fórum Provider Module) e a tradução abaixo!
 
 
 
      
      
 
 
Genealogias da Dor
 
Tendo passado sua carreira examinando o terror em suas várias formas, Marilyn Manson senta, na véspera da turnê Twins of Evil, para refletir sobre fantasmas, prostitutas e outras coisas que podem aparecer durante a noite
 
 
"Se você está tentando chocar as pessoas, a coisa mais importante que você pode fazer no terror ou rock n' roll - que eu acho que andam de mãos dadas no que diz respeito ao que eu amo - é usar a confusão e o caos," diz Marilyn manson, enquanto dá as boas vindas à Revolver no seu covil em West Hollywood. "Tenho uma arma de choque, por exemplo, que é bem chocante," ele adiciona, chegando até a geladeira e nos oferecendo uma cerveja. "E posso tentar usá-la nas suas bolas se você quiser."
 
Enquanto temos que admitir que não estamos afim de levar um choque de alta voltagem nas bolas essa tarde, a convergência de terror e rock n'roll está na agenda. Manson certamente já sabe uma coisa ou outra sobre as duas formas de arte e agora que a primeira parte da turnê de divulgação de seu novo disco, Born Villain, está atrás dele, eles está preparando para levantar a barra de rock-horror com sua participação na turnê Twins of Evil, uma turnê conjunta com o Rob Zombie que irá aterrorizar os EUA, Reino Unido e Europa nesse inverno. Quem abre os shows é o frontman do KoRn, Jonathan Davis, que irá servir um DJ set de música eletrônica demoníaca sob o apelido de JDevil.
 
A junção de Zombie e Manson parece tão perfeita (e perfeitamente óbvia) que inicialmente achávamos que eles já haviam feito uma turnê juntos - mas não, essa será a primeira vez e Manson parece estar tão ansioso quanto a gente.
 
"É realmente o que as pessoas querem," ele diz. "E eu sempre fui aquele que fugia do óbvio, mas às vezes não é clichê fazer o óbvio."
 
Então puxe uma cadeira de tortura e nos acompanhe enquanto sabemos da verdadeira história vindo do Manson sobre a turnê Twins of Evil, bem como seu novo vídeo para a música Slo-Mo-Tion, seu amor por terror psicológico, suas possíveis experiências com fantasmas e a música e filmes que completamente o aterrorizaram quando criança. Lembre-se de manter suas pernas cruzadas - o cara tem uma arma de choque e ele não tem medo de usá-la.
 
 
Como a turnê com você e o Rob Zombie finalmente aconteceu?
 
A turnê foi uma ideia do Rob. Meu empresário veio até mim e disse, "Então, isso apareceu e provavelmente você não irá querer fazer, mas o que acha de uma turnê com o Rob Zombie?" e eu disse, "Perfeito!" E claro, o motivo pelo qual ele ou qualquer pessoa tenha pensado que eu não quisesse fazer isso é porque os dois ex-membros da minha banda (o guitarrista John 5 e o baterista Ginger Fish) estão com o Rob Zombie. Primeiro de tudo, vou foder com eles novamente, e eles não estão na minha banda - isso é um bônus, bem ali!
Segundo, eu era um grande fã do White Zombie quando eu estava começando a banda. Não conheço o Rob muito bem. Nos conhemos há anos, mas nunca tivemos tempo o suficiente para passarmos um tempo juntos. Então eu disse que sim. Sabendo que a frase começava com "Você provavelmente não vai querer fazer isso..." Sim, eu irei fazer isso! E então a próxima frase foi, "Sei que você não vai querer mesmo ter o Jonathan Davis discotecando antes de você." Ah sim, eu vou -- 100 por cento sim!
 
O quão próximo você é do Jonathan Davis?
 
Sou muito mais próximo do Jonathan que do Rob. Tivemos alguns momentos íntimos. Isso soou errado, mas é um pouco verdade, no sentido de que já o vi sem roupa e não foi uma situação sexual. Envolveu eu, um cinto e não era eu que estava sendo batido com um cinto. Vamos deixar assim (risos). Honestamente, se eu estivesse em um estado mental diferente, eu teria a ignorância para ser arrogante o suficiente para não querer fazer uma turnê com duas pessoas que já dividi o palco antes... (fazendo essa turnê), não estou sendo maduro, é apenas eu pensando que isso parece ser divertido - e tocar com o Rob Zombie é melhor que a maioria das bandas que eu tive que tocar e não queria. Não falando de alguém especificamente, mas quando você entra em turnê, na maioria das vezes você não escolhe. O Rob seguiu seu caminho dando às pessoas o que elas querem e acho que será legal entrar em turnê com eles. E se passarmos um tempo juntos ou não, eu definitivamente vou torturar o John 5, não há dúvidas quanto a isso. Isso é 100 por cento certeza.
 
Você e o Rob são conhecidos por fazerem shows bem produzidos. Você está planejando algo especial para essa turnê?
 
Bem, deixe-me apenas dizer que meu show será completamente diferente do dele. Acho que aprendi uma grande lição sobre o "menos é mais," mas isso também não significa que será "minimalista." É apenas fazer as coisas de forma diferente. Quando você usa todos os fogos e você toca acima de 11, é difícil ir além disso, mas não vou tentar ir além disso. Quis tocar antes do Rob porque eu não tenho um ego de fazer uma co-headlining. Só achei que isso me dá a chance de fazer o que eu quiser fazer e o que quer que ele faça após isso, vira uma espécie de desafio para ele. Então isso faz do meu trabalho muito mais fácil (risos). Mas eu não olho isso como sendo uma banda de abertura porque eu tenho o Jonathan Davis discotecando antes de mim. Será engraçado vê-lo fazendo isso. Vou deixar meu cinto pronto... Mas eu diria que não vou fazer o que eu fiz na outra parte da turnê do Born Villain.
 
Já que essa entrevista é para nossa edição sobre o Terror, queremos saber sobre alguns dos seus filmes de terror favoritos.
 
Ah, ótimo - eu gosto de filmes de prostituta! (risos). "Horror" é uma palavra complicada, especialmente se você não é Americano. Quando eu estava no Japão, era época de Halloween, e eu descobri que os Japoneses tem um grande fascínio com a bruxaria. Na loja de Halloween, as fantasias eram todas tipo "Bruxa Dourada", "Fada Bruxa", "Bruxa Furiosa"... Foi quase como estar no The Craft, mas misturado com a Contempo Casuals. E essas garotas Japonesas iam aparecendo ao redor de mim e perguntando, "Você irá à festa da heroína?" E eu respondi, "Eu não uso heroína, mas isso parece ser muito legal - onde vai ser?" e eu percebi que elas estavam dizendo "Halloween". Não estou zoando o sotaque delas, mas eu achei que elas estivessem dizendo "festa da heroína." Então, filmes de prostitutas, filmes de terror...
 
Manson fez um trocadilho entre as palavras "horror" e "whore" pois ambas possuem a pronúncia muito parecida.
 
Segundo o Manson, a palavra 'halloween' soava como 'heroin' por conta do sotaque Japonês das garotas.
 
Quais são os filmes que você achou genuinamente assustadores?
 
O que me assusta? Quando criança - e hoje em dia ainda, de uma certa forma, mas por motivos diferentes - terror sobrenatural me assustava pra caralho porque eu estava na escola Cristã, então eu sempre tinha medo de coisas relacionadas ao Demônio, ao ponto de eu sempre olhar meu escalpo para ver se eu tinha um "666" tatuado. Não sabia se aquela tatuagem no The Omen realmente apareceu ou se eles levaram a criança a um tatuador (risos). Eu também tinha medo do filme It's Alive! Não sei por que, mas eu sempre olhava embaixo da minha cama pra ver se tinha um bebê com garras. Por que aquilo estaria embaixo da minha cama?
 
Que tipo de filme de terror você gosta hoje em dia?
 
Gosto de filmes de terror onde você se identifica fortemente com a pessoa que está em perigo. Não no sentido slasher, como a Jamie Lee Curtis no Halloween. Talvez quando eu era jovem eu gostasse desses, e ainda posso gostar, mas gosto de filmes de terror psicológico, uma coisa mais Roman Polanski/Ingmar Bergman. Quando eu assisto a filmes slasher, nove das dez vezes eu torço pro assassino. Fico pensando, "Isso, pega o filho da puta! Pega ele!" É nisso que os filmes de terror se transformaram. É bem difícil se você pensar nisso, fazer um filme de terror em uma época onde as pessoas tem feito tantos filmes de terror. Como você cria um monstro que é assustador? Gosto de filmes de zumbis, mas não da forma que as pessoas acham. O que gosto neles é o que acontece no lugar. Por exemplo, se o mundo começa a acabar lá fora e estamos trancados aqui, não é a merda lá fora que assusta - é o que as pessoas fazem nessa situação, quando suas morais, seu comportamento, seus ideias e tudo que você pensou, eles mudam. Instinto de sobrevivência iria dar certo para alguns, mas você sabe que no fim das contas você tem que tomar uma decisão. E é isso o que eu gosto no The Walking Dead. Acho sofisticado. Muitas pessoas reclamam, "Ai, não tem muitos zumbis." Por isso é legal. Você nunca entrega muito o que é precioso - e isso acontece com a música e isso acontece com tudo. Essa é a chave para que as pessoas continuem ligadas às coisas. É como, "Apenas a inclinação, não o poço. (risos)"
 
Falando em terror psicológico, você já assistiu ao filme Don't Look Now, um filme dos anos 1970 com o Donald Sutherland sobre um casal lidando com a morte de sua filha?
 
É muito louco que você tenha mencionado isso - acabei de colocá-lo na fila do Netflix. Mas sim, eu assisti e é extremamente horripilante - é isso que eu consideraria assustador.
 
Mas também é difícil de imaginar que qualquer grande estúdio hoje em dia lançaria um filme de terror com esse ritmo lento e deliberado.
 
Acho que é responsável como um artista ou como pessoas deixar as coisas idiotizadas, apenas porque nossa cultura não é mais tão atenciosa como deveria ser. Quero dizer, é realmente fácil assim. Por isso eu gosto do elemento do cinema, onde você fecha tudo - é assim que meu show vai ser nessa turnê. Isso é um show, não cometa erros, mas no minuto que você diz, "Isso é um show," ou "Você é louco" ou "Meu pau é grande" automaticamente não é tanto assim, porque é como revelar o final. Tem que ter aquela tensão. É sobre o que você não vê. O fato de você não ver o bebê no filme Bebê de Rosemary - sua mente começa a criar coisas mais horripilantes.
 
Qual o filme não-terror mais assustador que você já assistiu?
 
House of the Wolf do Ingmar Bergman. É sobre um pintor que enlouquece, e ele começa questionar se a loucura é contagiosa - e se você ama alguém o suficiente, você vira o mesmo que ela? Era pra se chamar The Cannibals e era pra ser o filme de vampiro do Ingmar Bergman. Ele captura um momento na câmera, tem quase um minuto do [ator] Max Von Sydow segurando um fósforo falando sobre o quão horrível é tentar e adormecer. E então o fósforo apaga e ele tem que acender outro e ele fala sobre como às 3:00am é quando a maioria dos bebês nascem e a maioria das pessoas morrem, e é quando as coisas assustadoras acontecem - esse é o House of the Wolf. As pessoas consideram a meia-noite como a "hora da feitiçaria", mas às 3:00 am é quando eu sou mais criativo. Talvez seja porque todas as pessoas estão dormindo e sua energia cerebral ou estática não está acontecendo, é quieto e não tem telefones tocando. É quando eu pinto. Quando estou no meu ápice. Por isso que eu fico acordado de madrugada, simplesmente porque me autoriza a ser mais criativo. Gosto de manter em um ambiente isolado. Que também tem uma relação grande aos cinemas, que eu espero que não seja um fenômeno moribundo. Isso é essencialmente como um cinema, o meu lugar. É um escape. Fico puto quando estou assistindo um filme de terror e meus amigos estão brincando com os celulares. Gosto de me amarrar nisso. Gosto de entrar naquele mundo.  acho que a única maneira que você tem de assustar a você mesmo é deixando levar. Acho que a perda de controle é o terror definitivo.
 
O que você acha dos filmes do Zombie?
 
Acho que não queria gostar dos filmes de terror dele quando ele começou a fazê-los, por questão de ego - eu queria dirigir filmes também. Mas quando eu os assisti, gostei em todas as formas de fazer uma pessoa gostar. O considero um grande diretor. Gosto que ele traz de volta elementos da cultura que estão esquecidos. Uma das coisas que gosto no que o Rob faz é que ele reinterpreta filmes antigos, mas isso é um trabalho difícil - é como fazer a cover de Sweet Dreams. É um trabalho difícil foder com a merda de alguém, mas é também a base da evolução da criatividade. Se você não rouba, então você não é realmente um artista - você apenas tem que fazer algo próprio. A dificuldade que é apresentada com a música e com o terror e com qualquer coisa - talvez até com o sexo - é que tudo já foi feito. Mas então você tem que pensar na Bíblia: Tem todos os elementos de filmes de terror nela. Você tem tortura, zumbis, demônios, vampirismo - comendo a carne, bebendo o sangue. Você tem gigantes. Você tem fantasmas. Você tem o Apocalipse ou Armagedon, ou o que quer que seja. Você tem todos os ingredientes de todos os filmes de terror que poderiam ser feitos.
 
Alguns dos quais você, certamente, incorporou em seus vídeos.
 
Acabei de filmar o vídeo para a música Slo-Mo-Tion e estou bem orgulhoso que o Steve Little, que faz o Stevie Janowski no Eastbound & Down, está no meu vídeo - ele está usando tetas. Foi bem legal trabalhar com o Stevie. Ele disse, "Eu sempre faço papeis de comédia e eu queria fazer algo assustador." Pensei nele imediatamente usando uma roupa que eu havia comprado originalmente para mim, que eu pensei ser perfeito para um serial killer se você estivesse fazendo um filme de terror. Encontrei um site Japonês que fazem máscaras realistas sem espressão e tetas falsas. Novamente, não estou falando nada contra o Japão - adoro o Japão - mas algumas cosias estranhas vem daquela parte do mundo. Enfim, comprei esse figurino e eu queria usá-lo, mas então o Stevie Little disse para mim, "Eu realmente quero ser mais assustador que você." E eu disse, "Bem, que tal esse figurino?" Ele queria ser assustador igual em uma cena do Blue Velvet, onde o Dean Stockwell canta In Dreams, então a única coisa que eu fiz foi passar um pouco de batom e fazer pequenos pontos de rouge em suas bochecas e ficou realmente bom. Dei a ele minhas luvas pretas de couro. Quando alguém coloca luvas pretas de couro, você tem que ficar assustado.
 
Você já ficou genuinamente assustado com música?
 
Sim, literalmente. Lembro de ir até a Quonset Hut em Canton, Ohio quando eu tinha 14 anos e comprei o Live Undead do Slayer. Minha mãe ficou louca porque era muito caótico pra ela - e talvez tenha sido a música ou a agulha na vitrola que estivesse ruim. Levei de volta no dia seguinte e eles não tinham outro, então eu troquei pelo Possessed do Venom. Levei pra casa e me assustei pra caralho. Era só tipo "RRRRRRRRRRRRR!" então eu disse que estava arranhado e minha mãe levou de volta esse também (risos). Eles tiveram muitas devoluções naquela loja! Mas fora isso... Ouvir a trilha sonora do Twin Peaks com fones de ouvido me deixou incomodado. A Moonlight Sonata do Beethoven me deixa nervoso - eu adoro, mas... Goblin, isso me assustou muito - lembro de acordar uma vez quando eu tinha 9 ou 10 anos e estava passando Suspiria na TV. Lembro da cena das larvas caindo do teto e aquela trilha sonora me marcou. Não ironicamente essa é a intro que usamos para o nosso show, o tema do Suspiria.
 
E terror sobrenatural? Você tem medo de fantasmas?
 
Sim. Ainda tenho uma fascinação com a possibilidade do mundo sobrenatural existir. Lembrando, eu tive opiniões diferentes sobre fantasmas. Quando eu era bem jovem, eu lembro de ir pra casa da minha vó ou algo assim em um evento de família - não lembro de todos os detalhes porque eu só tinha 4 ou 5 anos. Só lembro de cheiros estranhos e mudanças de temperatura, o que - de acordo com o que lemos e vimos no filme Paranormal Activity e coisas assim - tem relação com fantasmas. Acho que meu primeiro momento de ter medo de alguma coisa foi assistindo O Exorcista. Me perturbou muito. Esse filme ainda é assustador hoje em dia. Você acreditando em religião ou não, é perturbador, porque não acaba com uma resposta. As coisas que te deixam sem resposta tendem a ser a chave para algo poderoso. O ponto de interrogação, essa é chave de toda a arte. Quando se trata de fantasmas, não há uma resposta - isso é tudo.
 
Você assiste algum daqueles programas sobre fantasmas na TV?
 
Eu comecei a assistir aquele programa Paranormal State, meramente por diversão, porque a voz do cara é absurdamente ridícula (imita o apresentador Ryan Buell): "Quando eu era jovem, tive várias experiências paranormais!" Ele tem um time de pessoas e eles vão investigar coisas e nunca acontece nada. É tipo, eles ouvem uma porta bater. "Você viu isso? Aquele flash de luz?!" Já vi Jesus comentando o cu da minha avó morta e subindo pela minha perna com larvas em chamas com mais frequência que vi fantasmas. Nunca vi nada disso, mas eu gostaria de ver - seria muito mais interessante que o Paranormal State.
 
Você já teve alguma experiência com fantasmas recentemente?
 
Lembro da casa que morei na San Marco Drive, embaixo daquela cruz grande no Hollywood Hills. Era pós-Columbine e eu estava em um estado de desalinho, e eu estava realmente obcecado com todas as interconexões entre Manson, Kennedy e (o ocultista da década de 1940) Jack Parsons e o Death Valley do Aleister Crowley, todas as coisas relacionadas ao mundo sobrenatural de uma maneira ou outra. Eu costumava ouvir e ver coisas, mas sempre era descartado por quem estivesse comigo, dizendo que eu estava drogado e paranóico. Eu também considerei isso, e algumas vezes isso pode ter sido verdade. Eu costumava achar que sempre havia gente no meu quintal ou na rua. Pensei que talvez a casa estivesse assombrada. Sentado no topo das escadas, eu tinha um esqueleto de um templo maçônico com uma cabeça elk que era do século XIX - bem no portão, você está convidando uma assombração ali. E era a casa da (estrela de filmes dos anos 1940) Mary Astor e havia todas as armadilhas que eu acumulei ao longo dos anos, exemplares que podem ou não conter energia, dependendo do que você pensa com relação à transferência de energia de antigos donos. Eu tive o pente da Eva Braun, coisas assim. Então realmente me enlouqueceu e comecei a pensar que eu tivesse assombrado a casa, que eu me assombrei, porque acho que os fantasmas podem ser partes do seu cérebro que não está desencadeada.
 
Então você acha que a atividade paranormal pode ser um componente psicológico?
 
Há uma linha tênue entre doença mental e o sobrenatural e acho que ninguém descobriu isso. Eu sei que não acredito em psiquiatria. Não acredito na prescrição de drogas. Apenas as drogas da rua, elas são mais perigosas, divertidas e imprevisíveis. E você não precisa falar sobre seus problemas pra ter drogas. Você apenas as usa e então você fala sobre seus problemas com quem você estiver usando junto (risos). E então você vê fantasmas!

O show de ontem aconteceu em Denver, Colorado. O setlist não sofreu alterações, no entanto, segundo relatos, a apresentação teve vários problemas técnicos, com o Manson levando até um choque tão grande que sua mão começou a sangrar durante a Slo-Mo-Tion.

1. Hey, Cruel World...
2. Disposable Teens
3. The Love Song
4. No Reflection
5. mOBSCENE
6. The Dope Show
7. Slo-Mo-Tion
8. Rock is Dead
9. Personal Jesus
10. Tourniquet
11. Sweet Dreams (Are Made of This) (The Reflecting God Outro)
12. King Kill 33º
13. Antichrist Superstar
14. The Beautiful People

mOBSCENE

The Dope Show

Tourniquet

King Kill 33º/Antichrist Superstar

The Beautiful People

O show ontem ocorreu na cidade de Salt Lake City, em Utah. O setlist segue o mesmo

1. Hey, Cruel World...
2. Disposable Teens
3. The Love Song
4. No Reflection
5. mOBSCENE
6. The Dope Show
7. Slo-Mo-Tion
8. Rock is Dead
9. Personal Jesus
10. Tourniquet
11. Sweet Dreams (Are Made of This) (The Reflecting God Outro)
12. King Kill 33º
13. Antichrist Superstar
14. The Beautiful People

  

Clique na imagem para assistirem os vídeos pois a pessoa que gravou desabilitou a opção de incorporação.

Disposable Teens

mOBSCENE

Slo-Mo-Tion

Rock is Dead

Personal Jesus

The Beautiful People

 

Do site Billboard.com

Enquanto ele vai para estrada com o Rob Zombie com a turnê Twins of Evil, Marilyn Manson está se preparando para lançar mais música vilanesca para o mundo. Manson diz à Billboard.com que ele planeja lançar uma "edição especial" de seu último álbum, Born Villain, nesse inverno, provavelmente "um pouco antes das festas," que terão duas e, possivelmente, três músicas a mais, bem como uma embalagem especial.

"Não são apenas versões acústicas, demos ou coisas assim," Manson diz. "São músicas muito boas que eram pra estar no álbum, mas não quis que ele ficasse muito longo. Sabia que haveria a oportunidade para usá-las pra algo a mais."

Manson diz que edição deluxe também incluirá artowrk adicional e "terá muitas coisas nele. Terá um livro e coisas assim."

O Born Villain saiu em Maio e estreiou em décimo lugar na parada da Billboard 200, lançando os singles No Reflection e Slo-Mo-Tion.

"Gostei de ver álbum ganhar vida e ver o como as pessoas se relacionam," Manson diz. "Acho que soa tão cru como eu queria. Me encontrei sendo puxado de volta a fazer declarações nas músicas. Tem a ver por estar em ano de eleição e... o desafio de discutir religião e política e ser forte sem pregar. Estou de volta a não pensar que importa ter seu coração esperançoso para mudar o mundo ou a economia ou vida dos Estados Unidos da América ou algo assim; Estou mais para mudar a mente de alguém. Se eu vejo alguém sorrir ou ficar com raiva ou tirar a camisa e tentar me esfaquear, então eu sei que fiz um efeito - não que eu queria que as coisas aconteçam nessa ordem."

Quanto à turnê Twins of Evil, Manson diz que ele e o Zombie são "uma boa dupla porque ele faz o elemento slasher do terror ou o que quer que você chame nossa visão cinematográfica da música, e eu fico mais com a parte psicológica e política. Ele talvez seja mais o filme Halloween; eu sou mais o Sob o Domínio do Mal ou O Bebê de Rosemary - duas visões diferentes das coisas.

Manson também promete um show "bombástico" e diz que ele se sente um pouco competitivo sobre duas bandas tocarem juntas. "Sim, (o Zombie) tem um desafio à sua frente," Manson diz. O Zombie, enquanto isso, também procura pela jornada, que vai até a noite de Halloween nos EUA, antes de ir para para uma parada de 13 shows no Reino Unido e Europa entre Novembro e Dezembro.

Enquanto isso, Manson também planeja continuar fazendo vídeos para as músicas do Born Villain. Slo-Mo-Tion foi o último, mas ele promete que versões visuais de Pistol Whipped e Hey, Cruel World... estão "a caminho".

Manson diz "comecei a conversar com os meus amigos que são atores e diretores" sobre uma varidade de projetos que ele espera espera afiar em breve.

"Todos querem estar envolvidos com o que pode ser um movimento, que é animador," ele explica. "Quero trazer de volta o heyday do Andy Warhol e Salvador Dali, quando as pessoas faziam coisas porque elas queriam, porque é legal e divertido. Gosto de colaborar com pessoas que gosto de trabalhar e que dê certo já que nos damos bem."

Entre suas promessas, Manson diz que é um retorno ao esperado filme Phantasmagoria: The Visions of Lewis Carroll, que ele começou a trabalhar em 2004 com o co-escritor Anthony Silva.

página: 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 | 32 | 33 | 34 | 35 | 36 | 37 | 38 | 39 | 40 | 41 | 42 | 43 | 44 | 45 | 46 | 47 | 48 | 49 | 50 | 51 | 52 | 53 | 54 | 55 | 56 | 57 | 58 | 59 | 60 | 61 | 62 | 63 | 64 | 65 | 66 | 67 | 68 | 69 | 70 | 71 | 72 | 73 | 74 | 75 | 76 | 77 | 78 | 79 | 80 | 81 | 82 | 83 | 84 | 85 | 86 | 87 | 88 | 89 | 90 | 91 | 92 | 93 | 94 | 95 | 96 | 97 | 98 | 99 | 100 | 101 | 102 | 103 | 104 | 105 | 106 | 107 | 108 | 109 | 110 | 111 | 112 | 113 | 114 | 115 | 116 | 117 | 118 | 119 | 120 | 121 | 122 | 123 | 124 | 125 | 126 | 127 | 128 | 129 | 130 | 131 | 132 | 133 | 134 | 135 | 136 | 137 | 138 | 139 | 140 | 141 | 142 | 143 | 144 | 145 | 146 | 147 | 148 | 149 | 150 | 151 | 152 | 153 | 154 | 155 | 156 | 157 | 158 | 159 | 160 | 161 | 162 | 163 | 164 | 165 | 166 | 167 | 168 | 169 | 170 | 171 | 172 | 173 | 174 | 175 | 176 | 177 | 178 | 179 | 180 | 181 | 182 | 183 | 184 | 185 | 186 | 187 | 188 | 189 | 190 | 191 | 192 | 193 | 194 | 195 | 196 | 197 | 198 | 199 | 200 | 201 | 202 | 203 | 204 | 205 | 206 | 207 | 208 | 209 | 210 | 211 | 212 | 213 | 214 | 215 | 216 | 217 | 218 | 219 | 220 | 221 | 222 | 223 | 224 | 225 | 226 | 227 | 228 | 229 | 230 | 231 | 232 | 233 | 234 | 235 | 236 | 237 | 238 | 239 | 240 | 241 | 242 | 243 | 244 | 245 | 246 | 247 | 248 | 249 | 250 | 251 | 252 | 253 | 254 | 255 | 256 | 257 | 258 | 259 | 260 | 261 | 262 | 263 | 264 | 265 | 266 | 267 | 268 | 269 | 270 | 271 | 272 |









Marilyn Manson - Prêmio de Ícone pela Alternative Press (2016) Third Day of a Seven Day BingeThe Mephistopheles of Los AngelesManson fala sobre o ”The Pale Emperor” (2015)Manson dá suas impressões sobre o Natal (2014) Deep Six


ver +

facebook.com/marilynmanson
marilynmanson.com
twitter.com/marilynmanson


2008 - 2017 ® Marilyn Manson Brasil | Todos os Direitos Reservados