Manson conversou com a rádio Australiana Triple J e falou um pouco sobre o disco, turnê e como ele está agora. Os pontos principais da entrevista foram:

- Uma ou duas músicas novas devem ser tocadas, mas a maior parte do setlist será dedicada ao Antichrist Svperstar.

- A versão de Overneath the Path of Misery tocada no vídeo Born Villain é uma versão não-finalizada e 'anã' perto da 'gigante' que estará no disco.

- Muito do álbum é sobre a ideia de renascimento, então se o Eat Me, Drink Me foi o seu disco vampírico, Born Villain é o disco zumbi. E ainda cita Jesus como o maior zumbi que já existiu.

Ouça a entrevista completa clicando aqui.

Manson tocará no Lucerna Great Hall, em Praga, na República Tcheca, no dia 15 de Julho.

Fonte: Marilyn Manson FR

A revista Australiana Rave fez uma entrevista com o Manson. A revista é grátis e dá para ter uma cópia digital - também de graça. Para isso, é só acessar o site da revista: ravemagazine.com.au. Leia a entrevista com o Manson abaixo:

Para muitos o nome Marilyn Manson é sinônimo de glam metal traiçoeiro e cheio de fúria. Sua saída musical foi intencionada para incitar a desconstrução de tais pilares da socidade Americana moderna, como o Cristianismo, conformismo e uma obsessão com a violência. Suas turnês no fim dos ano 1990 e começo dos 2000 eram assuntos explosivos, continuamente cercados e resistidos por grupos conservadores religiosos e políticos, culminando na culpa que foi lhe colocada por seu suposto papel na trágida de Columbine em 1999. A dedicação do Manson em chocar e irritar seus detratores também tiveram uma grande contribuição para seu sucesso em termos de vendas de discos.

Ainda assim, a época que Manson possuía a habilidade de chocar baseada em performances ao vivo, figurinos e conteúdo lírico, passou. A internet aumentou a popularidade depois do tiroteio em Columbine e, eventualmente, a abordagem estranha do Manson foi substituída por milhões de cidadãos implorando para dizer ou fazer qualquer coisa por 15 minutos de fama.

A sociedade que uma vez desprezou Manson, virou algo insensibilizado. E uma década após seu auge em popularidade, trazer seu nome em uma conversa talvez não incite o reconhecimento imediato de outrora.

Agora com o Born Villain, seu oitavo álbum de estúdio que está a caminho (e o primeiro sem a Interscope), Manson encontra-se em uma encruzilhada: Sua abordagem chocante ainda é relevante nos dias de hoje? E se não, o que será do Marilyn Manson?

"Muitas vezes, grande parte das pessoas, especialmente na América, não estão interessadas em encontrar algo mais profundo. Claro, às vezes eu gosto da musiquinha do comercial. Mas ao final do dia, quando você vai dormir, você está fechado em um momento onde você lembra certas imagens, músicas e sons que ficam com você para sempre," diz o falante Manson, nascido Brian Hugh Warner, de sua casa e estúdio em Los Angeles, onde ele fez a maior parte do Born Villain.

"E é isso que me autoriza a ter uma atitude onde eu posso objetivar o fato de que as pessoas tratam o que eu faço como um produto, mas que não me deixa louco e nem levo para o pessoal. Posso tratar isso como não sendo um produto, mas como algo que vem de mim, ainda posso ficar feliz fazendo isso. E eu também sei como adaptar ao que eu acredito ser um grande novo ambiente. Muitas pessoas nunca ouviram minha música; Eu nunca andaria em uma sala ou em uma situação e teria a arrogância, ou na verdade ignorância, de assumir que eles conheçam o que eu tenha feito antes. Quero tocá-lo (Born Villain) como se fosse o meu primeiro disco, e fazê-los gostar pelo mesmo motivo."

Enquanto o sempre solitário Manson fala, ele começa a traduzir o maçiço exterior que ele representou no passado. Ele fala abertamente não só sobre seus medos sobre e seu lugar no mundo, mas como ele, em breve, o conquistaria.

"Eu estava lutando muito para descobrir onde eu encaixaria nesse mundo inconstante. Para alguém que é contra tudo e então, de repente, vira uma parte de tudo. E naquele sentido do Warhol e Salvador Dalí, eu estava apenas tentando tornar isso vivo."

O que Manson escolheu fazer foi voltar ao básico, de um modo que apenas ele poderia.

"Para mim, não posso dizer que foi simples, mas foi importante voltar e não dar a mim mesmo outras opções," continua o cara de 43 anos. "Limitações são coisas muito fortes para artistas terem. Eu me mudei para um lugar e comecei a pintar e só me dei uma cor: Preto, com papel branco. Começamos a fazer esse disco e fizemos com as limitações de imediatismo e urgência. Não era muita improvisação já que compreender que quando você tem apenas um lápis, uma guitarra ou baqueta, é quase como reinventar a roda. Funcionou para mim quando eu nem tinha nenhuma música e eu só podia desenhar."

Os discos do Manson sempre foram fáceis de segmentar, mas questionar o homem por trás da loucura, faz ele revelar-se lentamente como um cara que conhece a si mesmo. Em 2012, Manson vê-se menos como um reformista de uma causa e mais de um artista que finalmente voltou a ter contato com o que fez ele a começar a criar música sob o nome de Marilyn Manson & the Spooky Kids mais de 20 anos atrás.

"Eu queria fazer algo que, ao longo dos últimos álbum, não começou a ficar mais passional, mas menos divertido para mim. E arte sempre era a coisa que trazia algum divertimento para mim. E começou a transcorrer."

Com o Born Villain, Manson ganhou novamente o controle do que ele perdeu. Ele pegou seu tempo, recusou-se a apressar o processo e autorizou sua criatividade a levá-lo aonde pudesse. Fazer o Born Villain, lançado juntamente pelo selo Hell, etc e a gravadora Cooking Vinyl, foi também uma oportunidade para olhar para trás e perceber o tempo passado como um fantoche de uma grande gravadora.

Entre as mudanças em sua carreira, ainda é refrescante saber que ele não perdeu a habilidade de pintar um retrato das situações com sua marca registrada.

"Aqui vai uma referência profana, ou metáfora: Se você está fazendo sexo oral em uma mulher e você está pensando consigo mesmo, "Nossa, isso é maravilhoso" e você apenas quer isso, continue fazendo. Mas quando você pensa, "Espere, as pessoas também me disseram que mostarda é ótima", então você põe mostarda nisso apenas para mudar e continua. Essas gravadoras, elas adoram algo, mas então dizem para tentar algo diferente porque alguém disse para fazer. Eles têm medo de amar algo, porque não é o artista, eles pensam, é a fórmula. Mas as pessoas se identificam com coisas que realmente as tocam."

É a esperança do Manson que o Born Villain irá, sem dúvida, tocar os fãs, sem a mostarda. Enquanto ele está pronto para reconhecer o seu passado, ele está mais contente de seguir em frente. Chocar aqueles ao redor dele não o preocupa e ele duvida que já tenha preocupado.

Provar o Manson, com sua contínua luta para ser honesto, pode ser mais relevante agora do que nunca.

"O que quer que eu tenha feito, certamente nos levou a essa conversa. Sempre disse que posso possivelmente não ser chocante. E acredite ou não, eu disse isso quando comecei. O que você pode ser é confuso, e interessante. É uma forma de comunicação. E tudo isso adicionado à determinação de fazer esse disco, eu acho que será considerado o melhor disco do Marilyn Manson. É a maior verdade que eu queria ser."

O site da produtora Live Nation anunciou que Manson tocará na cidade de Houston, no Texas, no dia 13 de Maio. O local será o House of Blues.


Atualização: 14/02

Mais uma data na América do Norte: Manson toca na casa The Paramount, em Huntington, Nova York, no dia 29 de Abril. Ingressos aqui.

Fonte: @basetendencies

Manson foi entrevistado recentemente pelo jornal Australiano mX e ele fala um pouco sobre sua vida, turnê e Born Villain. Leia abaixo:

Garotas más podem encontrar-se trancadas em um quarto à prova de som na casa do Marilyn Manson. É o que você esperaria do cantor da The Beautiful People, cujo regra é "toque com o seu coração e com o seu pau, não com a sua mente".

E ah, nunca use Viagra.

O pin-up gótico, 43, diz que seu próximo disco, Born Villain, é "duro" - em vários sentidos. "Não gosto de dizer que é pesado, você não quer que seja pesado porque isso soa desajeitado," Manson diz. "'Duro' é uma boa eu acho, considerando os comerciais sobre Viagra e coisas assim, do qual eu nunca usaria.

Você tem que encontrar o que é atrativo e que gere confiança e você irá fazer o que você quer fazer de forma dura no sentido metafórico - e literal."

Então é o Manson falando sobre o Born Villain - seu oitavo disco e o que vem após o The High End of Low de 2009. Ou ele foi movido a falar de suas... partes íntimas?

"Estou falando de ambos. Acho que é isso que o rock n' roll é," ele diz. "Digo, o rock n' roll é repleto de machos e egos e tal. Sou bem andrógino, então é irônico pra mim falar sobre isso. Obviamente conhecemos todo o gênero que era referido como cock rock, não estou sonhando com isso. Estou voltando àquela simplicidade de que você tem que tocar metaforicamente com o seu coração e com o seu pau, e não com sua mente."

Manson está falando com a mX de sua casa/estúdio construída em cima de uma loja de bebidas em Los Angeles. Ele é um dos rockstars mais hipnóticos e escandalosos da história, então estou curioso: Como é a casa do Manson?

As paredes são brancas e o piso é preto (é bem American Psycho) e ele mora sozinho com sua gata, Lily White.

"Agora ela está bem chateada porque estou falando sobre ela na frente dela," Manson diz, referindo-se à gata como "dama" e "vadia".

"Tenho um lugar onde qualquer um que queira ser criativo... pode vir aqui. Tudo é escuro, não há relógios, então é como Las Vegas e uma casa mal assombrada.

Minhas ideias não podem ser colocadas em um cartão perfurado, tipo 'Trabalho em uma mercearia'".

Manson se refere ao antigo estúdio de dança como um "lugar para dormir e fazer sexo" que tem "um pequeno quarto que, se qualquer um for mau, eu posso trancá-los lá e é à prova de som. Eu chamo de 'quarto das garotas más,'" ele diz, dizendo ainda que o quarto é usado frequentemente.

Manson pode ter nascido um vilão, mas ele é um celeiro de controvérsia, incluindo romances com a Evan Rachel Wood (ela estrelou o vídeo da música Heart-Shaped Glasses), a atriz Rose McGowan (Charmed) e Dita Von Teese.

Manson está para começar a turnê no Soundwave com a banda conhecida como "Marilyn Manson", incluindo o antigo colaborador Twiggy Ramirez. Eles tocarão músicas do histórico segundo álbum, Antichrist Svperstar.

"Talvez toquemos algumas músicas do disco novo, mas como o disco ainda não irá sair, estamos um pouco, digamos, obcecados com o 15º aniversário do Antichrist Svperstar. Vamos tocar várias músicas dele e é uma nova banda, exceto por mim e pelo Twiggy, que sempre foi o centro do Marilyn Manson."

Born Villain deve sair no meio do ano e vimos um pouco do que pode vir em um filme obscuro dirigido por Shia LaBeouf (sim, aquele Shia LaBeouf) usando músicas do álbum.

Ele pode não ser o Anticristo que ele era nos anos 1990, mas Manson fez um disco no qual ele acredita. "Não é um disco que vá fazer as pessoas sentirem menos - vai fazer as pessoas sentirem mais do que quer que elas sejam."

Uma estrela renasce

Marilyn Manson sabia que ele tinha que ter ambição e ir direto ao ponto enquanto fazia o Born Villain.

"Tive que alcançar coisas fazendo esse novo disco com a mesma ambição de quando eu comecei," ele diz. "Não poderia dar como certo que as pessoas conheciam minha música antiga. Não poderia dar como certo que as pessoas vão gostar da música nova porque gostam da música antiga. Tive que resolver as coisas. E é isso o que você faz quando começa algo: Um relacionamento, uma carreira, um roubo de banco, o que quer que seja, você tem que planejar as coisas. Se não funciona, você está fodido."

Manson diz que grande parte de fazer o disco foi provar para ele mesmo que ele poderia fazer coisas que pessoas "normais" fazem.

"Muitas pessoas me interpretam como se eu fosse co-dependente, coisa que não sou. Mas fazer coisas que podem ser vistas como mundanas me fez sentir que eu não poderia ser um artista que eu queria ser se eu não pudesse fazer coisas que pessoas fazem diariamente. Tive que simplesmente tirar tudo e ter apenas meus livros, filmes, quadros, meus instrumentos e meu gravador. E começar dali."

*Transcrição feita pelo usuário The Empirical Guy do fórum Provider Module.

página: 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 | 32 | 33 | 34 | 35 | 36 | 37 | 38 | 39 | 40 | 41 | 42 | 43 | 44 | 45 | 46 | 47 | 48 | 49 | 50 | 51 | 52 | 53 | 54 | 55 | 56 | 57 | 58 | 59 | 60 | 61 | 62 | 63 | 64 | 65 | 66 | 67 | 68 | 69 | 70 | 71 | 72 | 73 | 74 | 75 | 76 | 77 | 78 | 79 | 80 | 81 | 82 | 83 | 84 | 85 | 86 | 87 | 88 | 89 | 90 | 91 | 92 | 93 | 94 | 95 | 96 | 97 | 98 | 99 | 100 | 101 | 102 | 103 | 104 | 105 | 106 | 107 | 108 | 109 | 110 | 111 | 112 | 113 | 114 | 115 | 116 | 117 | 118 | 119 | 120 | 121 | 122 | 123 | 124 | 125 | 126 | 127 | 128 | 129 | 130 | 131 | 132 | 133 | 134 | 135 | 136 | 137 | 138 | 139 | 140 | 141 | 142 | 143 | 144 | 145 | 146 | 147 | 148 | 149 | 150 | 151 | 152 | 153 | 154 | 155 | 156 | 157 | 158 | 159 | 160 | 161 | 162 | 163 | 164 | 165 | 166 | 167 | 168 | 169 | 170 | 171 | 172 | 173 | 174 | 175 | 176 | 177 | 178 | 179 | 180 | 181 | 182 | 183 | 184 | 185 | 186 | 187 | 188 | 189 | 190 | 191 | 192 | 193 | 194 | 195 | 196 | 197 | 198 | 199 | 200 | 201 | 202 | 203 | 204 | 205 | 206 | 207 | 208 | 209 | 210 | 211 | 212 | 213 | 214 | 215 | 216 | 217 | 218 | 219 | 220 | 221 | 222 | 223 | 224 | 225 | 226 | 227 | 228 | 229 | 230 | 231 | 232 | 233 | 234 | 235 | 236 | 237 | 238 | 239 | 240 | 241 | 242 | 243 | 244 | 245 | 246 | 247 | 248 | 249 | 250 | 251 | 252 | 253 | 254 | 255 | 256 | 257 | 258 | 259 | 260 | 261 | 262 | 263 | 264 | 265 | 266 | 267 | 268 | 269 | 270 | 271 | 272 |









Marilyn Manson - Prêmio de Ícone pela Alternative Press (2016) Third Day of a Seven Day BingeThe Mephistopheles of Los AngelesManson fala sobre o ”The Pale Emperor” (2015)Manson dá suas impressões sobre o Natal (2014) Deep Six


ver +

facebook.com/marilynmanson
marilynmanson.com
twitter.com/marilynmanson


2008 - 2017 ® Marilyn Manson Brasil | Todos os Direitos Reservados